segunda-feira, 14 de setembro de 2020

Curiosidades sobre o Sistema Solar - 31 fatos sobre nosso lar espacial

Por P.H Mota

Mesmo após mais de 4 bilhões de anos de existência, ainda há curiosidades sobre o Sistema Solar para serem desvendadas pela ciência.


Formado por volta de 4,6 bilhões de anos atrás, o Sistema Solar é motivo de fascínio entre estudiosos do tema. Isso porque ainda existem muitos mistérios não desvendados, ainda que a gente conheça várias curiosidades sobre o Sistema Solar.

O nome é dado ao conjunto de corpos celestes que orbitam ao redor do Sol. Entre eles, por exemplo, estão estrelas, asteroides, satélites e planetas anões, gasosos e sólidos, como a Terra.

Pensando nisso, separamos uma série de curiosidades sobre o Sistema Solar para quem quer saber mais sobre o espaço.


31 curiosidades sobre o Sistema Solar

O Sistema Solar é formado por oito planetas, cinco planetas anões, 181 luas, 552.894 asteroides e 3.083 cometas, espalhados ao longo de 18,75 trilhões de quilômetros.

Os planetas são classificados em planetas sólidos (telúricos) e gasosos. No primeiro grupo, estão Mércurio, Vênus, Terra e Marte. Por outro lado, os gigantes gasosos são representados por Júpiter, Saturno, Urano e Netuno.

Os planetas gasosos são muito frios e formados principalmente por massas de hidrogênio, hélio e metano.

Júpiter é o maior planeta do Sistema Solar, com a massa 2,5 maior que a de todos os outros planetas juntos. Em comparação com a Terra, tem 317 vezes mais massa e 1.321 vezes mais volume.

A massa do Sol representa cerca de 99,86 % de toda a massa do Sistema.

Assim como os corpos celestes orbitam ao redor do Sol, nosso Sistema também orbita a Via Láctea. Uma volta completa leva cerca de 240 milhões de anos.

A Terra é o único planeta que contém água em todos os três estados físicos: sólido, líquido e gasoso.

O planeta Terra é formado por elementos raros no universo, como ferro, oxigênio, silício, magnésio, enxofre, níquel, cálcio, sódio e alumínio. Ainda que eles também existam em outros locais, só são abundante por aqui.
Somente na Terra é possível assistir a um eclipse solar total.



Apesar de ser o planeta mais próximo do Sol, Mercúrio não é o mais quente. O título vai para Vênus, que chega a temperaturas de 470 ºC, graças a sua atmosfera densa, rica em dióxido de carbono.

Plutão é menor que o Brasil. O planeta anão tem 2.371 km de largura, menos que a distância do Oiapoque ao Chuí (4.174 km).

Em Netuno, os ventos podem chegar a até 2.100 km/h.

Se o Sistema Solar tivesse o tamanho de um átomo, um neutrino teria o tamanho de uma bola de golfe.

Apesar de estarmos a 150 milhões de km do Sol, nosso planeta está dentro de sua atmosfera. Chamada de heliosfera, a região carrega ventos solares e auroras polares que se estendem para além da órbita de Plutão.

De acordo com a Nasa, o Sistema Solar está a cerca de 265 quatrilhões de km do centro da galáxia, onde há um buraco negro supermassivo central.

Vênus é o planeta que mais se assemelha à Terra, em razão de seu tamanho, órbita e composição.

O planeta mais frio do Sistema Solar é Urano, onde as temperaturas chegam a -224 ºC.



Existem rochas originárias de Marte encontradas em regiões da Terra, como a Antártida e o deserto do Saara.

Em 1993, a sonda Galileo descobriu uma lua de 1,6 km de largura orbitando o asteroide Ida de 32 km de largura. Ou seja, mesmo corpos celestes de tamanho reduzido possuem satélites naturais.

Apesar de comum em filmes, os campos de asteroides do Sistema Solar não representam ameaça para naves espaciais. Na vida real, eles são espaçados e provavelmente não irão se colidir com naves que, inclusive se aproximam deles para registros fotográficos.

Júpiter é lar da maior tempestade do Sistema Solar. Observada pela primeira vez em 1831, ela apresentava 48 mil km de extensão. Atualmente, sabe-se que ela perde cerca de 900 km por ano, mas ainda é duas vezes maior do que o planeta Terra.

Estudos sugerem que a água da Terra surgiu do gelo que havia no espaço antes do surgimento do Sol.

A maior montanha do Sistema Solar está em Marte, com 22 km de altura.

Também é marte que estão as tempestades de poeiras mais intensas. Além disso, elas podem durar meses e chegam a cobrir toda a extensão do planeta.

Existem vulcões espaciais que não expelem lava, mas água. Em algumas luas, por exemplo, onde a força motriz é o gelo, a água surge das crateras.



O planeta do Sistema Solar com mais vulcões é Vênus, com mais de 1.600.

Vênus é o único planeta do Sistema Solar que não possui nenhuma Lua e gira no sentido oposto a todos os outros. Provavelmente isso aconteceu por um choque com um grande asteroide no passado.

A Terra viaja ao redor do Sol com uma velocidade de cerca de 107.826,06 km/h, e gira em torno de si a 1.609 km/h.

Como está a cerca de 150 milhões de km da Terra, o Sol demora a ser visto por aqui. Ou seja, quando vemos o Sol no céu, estamos cerca de 8 minutos atrasados em relação à sua posição.

Por causa da diferença de gravidade nos corpos celestes do Sistema Solar, uma pessoa de 68 kg na Terra pesaria cerda de 11 kg na Lua e quase 2 toneladas no Sol – 1.905 kg.

Por fim, existem suspeitas da existência de um nono planeta no Sistema Solar, dez vezes maior que a terra. Apesar de não encontrado oficialmente, ele é apontado como real por conta da percepção de seus efeitos gravitacionais.

Imagens: Science Alert, Inc, News Beezer, The Atlantic
Fonte: https://segredosdomundo.r7.com/curiosidades-sobre-o-sistema-solar/

sexta-feira, 7 de agosto de 2020

Avistamento de OVNI em Cancun

Isso aconteceu em Cancún, Quintana Roo, quando um objeto voador não identificado foi aparentemente visto na região 518 do bairro Enrique Rangel em Cancún. Este avistamento foi realizado por Johanna Loyo, que citou essa mensagem em suas redes sociais. 》 Pela primeira vez meu marido e eu testemunhamos um avistamento incrível !!! finalmente depois de tantos anos conseguimos capturar vídeos e fotografias que não somos os únicos neste mundo! eles vão dizer que somos loucos, ou se é Fake! mas somos testemunhas do que vimos e as amostras que recolhemos falam por si! Capturado em 27 de julho de 2020!》


Crédito: Sky Watchers con Carlos Clemente

terça-feira, 1 de outubro de 2019

Equipe de caçadores de alienígenas liderada pelo co-fundador do Blink-182 afirma ter encontrado material OVNI 'desconhecido para os cientistas'

Após divulgar três vídeos de OVNIs, o grupo liderado por Tom DeLonge revelou ter encontrado um objeto desconhecido que pode pertencer a uma espaçonave alienígena

O grupo de caçadores de OVNIs "To The Stars Academy of Arts and Science", liderado pelo ex-vocalista da banda punk Blink-182, Tom DeLonge, afirmou ter encontrado novas evidências de objetos voadores não identificados. A equipe divulgou este mês três vídeos que mostram OVNIs circulando o espaço aéreo da Terra, cuja veracidade foi comprovada pela marinha norte-americana.

A conta oficial do grupo no Twitter escreveu que os pesquisadores adquiriram "materiais potencialmente exóticos com propriedades que não são de nenhuma aplicação militar ou comercial existente conhecida". Diferentemente dos vídeos divulgados, a equipe ainda não forneceu provas que comprovassem que o material pertence à outra civilização. 

"A estrutura e a composição desses materiais não são tem nenhuma aplicação militar ou comercial existente conhecida”, disse o COO Steve Justice. "Estamos focando em fatos verificáveis e trabalhando para desenvolver provas científicas independentes das propriedades e atributos dos materiais". pic.twitter.com/GUbPBSPl7M
— To The Stars Academy (@TTSAcademy) 25 de julho de 2019
 

"O que estamos fazendo é tentar encontrar as pessoas mais qualificadas nas instituições mais respeitáveis para conduzir análises científicas", afirmou ao Times Luis Elizondo, diretor de segurança global e programas especiais do grupo de DeLonge. "Essa análise científica inclui análise física, molecular, química e nuclear". Elizondo disse que a equipe não tem pressa em divulgar a pesquisa.

O diretor de segurança global e programas especiais atribuiu a cautela na divulgação da origem do objeto ao fato do grupo não querer tirar conclusões precipitadas. Segundo ele, "os dados decidirão se (o objeto) é de fato alguma coisa ou não". Além do utensílio recém-descoberto e dos vídeos divulgados, a equipe escreveu em maio relatórios de casos de pilotos da marinha dos Estados Unidos que encontraram alguns OVNIs entre 2014 e 2015.

Em diversas entrevistas, os pilotos descreveram objetos aparentemente estranhos que se movimentavam em velocidades hipersônicas, realizando atos "além dos limites físicos de uma tripulação humana". O tenente Ryan Graves, piloto do F / A-18 Super Hornet, que está na marinha há 10 anos, disse ao The New York Times que "essas coisas estariam disponíveis o dia todo".

Fonte: Fox News
 
Créditos: https://olhardigital.com.br

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Campo magnético de Marte pulsa misteriosamente à noite, segundo sonda da NASA

Por
Ryan F. Mandelbaum 24/09/2019

A sonda Mars InSight, da NASA, observou pulsos misteriosos na noite marciana que podem durar até duas horas, segundo os anais de um novo trabalho acadêmico.
A National Geographic reporta que a equipe da InSight divulgou vários novos resultados na reunião conjunta do Congresso Europeu de Ciência Planetária e da Sociedade Astronômica Americana. Esses resultados incluem medições do campo magnético marciano e mais evidências de água líquida sob sua superfície.

A InSight foi lançada e pousou em Marte em 2018, carregando três instrumentos científicos planetários, bem como instrumentos auxiliares como um magnetômetro, o primeiro já usado em Marte. Uma equipe liderada por Christopher Russell, da Universidade da Califórnia em Los Angeles, analisou dados do magnetômetro, descobrindo que a área de pouso da InSight possui um forte campo magnético, que correntes elétricas viajam através da porção ionizada da atmosfera do planeta e que, ocasionalmente, o campo magnético pulsa à noite.

Estes pulsos podem durar até duas horas e são mais fortes na direção norte, de acordo com um resumo da conferência. Os pulsos em si não são estranhos, segundo a reportagem da NatGeo, mas o fato de que os pulsos só acontecem perto da meia-noite é. Os cientistas ainda não têm uma explicação para os pulsos, mas esperam usar essas medidas para entender as diferenças entre os campos magnéticos da Terra e Marte.

Mais evidências de água em Marte são sempre emocionantes, já que o planeta pode ter abrigado oceanos em todo o mundo. Os cientistas neste caso usaram o magnetômetro para encontrar uma região profunda e condutora abaixo da superfície marciana. Porém, são necessárias mais pesquisas antes da identificação conclusiva dessa região e nenhum desses dados ainda foi analisado por pares. 
 
A InSight coleta dados há menos de um ano e acabou de acordar de uma conjunção solar (ela estava ao lado oposto do Sol), então ainda há muito mais que a sonda pode descobrir e aprender sobre o terreno marciano.
 
Fonte: https://gizmodo.uol.com.br