domingo, 28 de março de 2010

Conheça as 11 luas mais estranhas do Sistema Solar

A Lua terrestre era vista de forma diferente com instrumentos 
antigos Foto: NewScientist/Divulgação

Há 400 anos, a única lua conhecida, o próprio satélite da Terra, era vista com uma aparência enferrujada por causa dos instrumentos pouco tecnológicos da época
Foto: NewScientist/Divulgação

As luas podem se curvar aos planetas que orbitam quando se fala em tamanho, mas muitas vezes elas acabam se tornando protagonistas pela beleza e diversidade. Existem tantas luas no Sistema Solar que o número supera de vinte pra uma. Há satélites consolidados como Titã (maior lua de Saturno) e outros com refúgios possíveis para seres vivos como Europa (lua de Júpiter). Conheça abaixo as onze luas mais estranhas do Sistema Solar, escolhidas pelo pesquisador Stephen Battersby e divulgadas pelo site científico New Scientist:

Io
Uma das quatro grandes luas de Júpiter, Io é conhecida como o "fogo do inferno" do Sistema Solar devido às fossas sulfurosas, intensa radiação e constantes erupções vulcânicas. Além de ser um pouco maior que a Lua (da Terra), Io também é o quarto maior satélite do Sistema Solar.

Seus vulcões atingem temperaturas próximas a 1.700°C, cuspindo 100 vezes mais lava do que todos os vulcões da Terra podem reunir. A aparência estranha - branco, vermelho, laranja, amarelo e preto - é causa pela grande liberação de compostos de enxofre que também ocorrem durante as erupções.

Jápeto
Jápeto, a terceira maior lua de Saturno, se apresenta como excêntrica por possuir dois tons de cores: meio escuro e meio branco brilhante. Ainda por cima, com com 1.436,0 km de diâmetro, o satélite também é achatado nos pólos e nos. Uma crista que percorre incompleta o seu equador dá-lhe a aparência de uma casca de noz.

O hemisfério que conduz a rotação de Jápeto é extremamente escuro, refletindo apenas uma pequena parcela de luz solar incidente, enquanto que o hemisfério contrário é muito mais efetivo. Por isso, Jápeto é conhecido como corpo celeste com maior variação de brilho do Sistema Solar.

Europa e Encélado
As geladas e aparentemente desoladoras superfícies de Europa, uma das quatro luas de Júpiter, e Encélado, o menor dos satélites naturais de Saturno (tem 498,8 km de diâmetro), são de fato uma das paisagens mais ativas do Sistema Solar. E podem até conter habitats acolhedores para seres vivos.

Europa é coberta por uma crosta de gelo rachada que se assemelha ao Ártico na Terra. Seu núcleo rochoso, no entanto, é aquecido pelo calor das marés, um resultado da mudança de tração gravitacional de Júpiter. Isso, provavelmente, gera calor suficiente para manter um oceano abaixo da superfície congelada de Europa. É, junto com Marte, o local mais provável onde os cientistas acreditam que possa haver vida extraterrestre.

Bola de neve de Saturno, Encélado é muito violenta. Um conjunto de gêiseres cria explosões de vapor e cristais de gelo. Quando retorna à superfície, o material expelido cai como neve, formando um revestimento brilhante de inverno que torna branco o objeto no sistema solar. A temperatura é de cerca de -198 °C, mais fria que as outras luas de Saturno, porque reflete praticamente toda a luz recebida pelo Sol. No ano passado, pesquisadores confirmaram a existência de um oceano de água salgada na altura da calota de gelo do pólo sul do satélite.

Pan e Atlas
A maioria das luas são redondas e lisas, ou pedaços irregulares de rocha espacial. Pan e Atlas, ambas de Saturno, por outro lado, possuem formatos semelhantes ao de discos voadores e orbitam dentro de um dos anéis do planeta, o anel A. Atlas possui um tamanho de quase 40 km de altura por 20 km de largura, enquanto Pan tem medições aproximadas de 35 km por 23 km.

Nereida
Enquanto a maioria das luas suavemente circunda planetas, Nereida é muito diferente. Este satélite de Netuno moderadamente irregular e medíocre de tamanho (cerca de 340 km), viaja na órbita mais excêntrica de uma lua no sistema solar - uma montanha-russa que a faz subir mais de 9 milhões de quilômetros para depois mergulhar 1,4 milhões de quilômetros na direção de Netuno.

Titã
Titã, maior lua de Saturno e a segunda maior do Sistema Solar, também supera em diâmetro o planeta Mercúrio e a Lua da Terra - Titã é uma vez e meio maior. É talvez a mais estranha de todas as luas porque é tão estranhamente familiar à Terra: também conta com lagos, montanhas e cavernas, vales fluviais, planícies de lama e dunas de deserto. A espessa atmosfera de nitrogênio detém névoa, poluição e nuvens de chuva.

No entanto, as aparências podem enganar. Titã está 10 vezes mais longe do Sol do que a Terra e, sob uma luz fraca, sua superfície tem temperaturas de -180 °C.

Lua
Até Simon Marius e Galileo Galilei descobrirem as quatro luas de Júpiter, há 400 anos, o único satélite conhecido era um objeto proeminente no céu e com aparência enferrujada quando visto da Terra durante à noite com os instrumentos pouco evoluídos da época. Mesmo após dezenas de satélites terem sido descobertos de lá para cá no Sistema Solar, a Lua terrestre ainda se destaca como um dos membros mais notáveis deste clã.

Por um lado, são peixes muito pequenos em um grande lago. Luas são raras no interior do Sistema Solar: Vênus e Mercúrio não possuem uma e as duas de Marte são minúsculas. Na verdade, a Lua parece mais à vontade do que os demais satélites que orbitam planetas gigantes de gás.

Ganímedes
Ganímedes, principal lua de Júpiter e maior do Sistema Solar, com diâmetro de 5.270 km, tem um volume três vezes maior que o do satélite da Terra. Os cientistas observaram em seu interior um forte campo magnético que sugere a existência de um núcleo com convecção de metal líquido. Este grande satélite foi descoberto em 1610 e é uma das quatro luas descobertas por Galileu Galilei na órbita de Júpiter. Em condições favoráveis de tempo, Ganímedes é visível a olho nu.

Tritão
Tritão é a maior lua de Netuno e possivelmente o astro mais frio do sistema solar, atingindo temperaturas de -235°C. Além disso, possui uma história geológica bastante complexa: uma superfície bastante jovem e de aspecto rugoso, desfigurada por violentas erupções vulcânicas, rápidos congelamentos do solo e repentina fundição, que geram uma rede de rachaduras enormes.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia

sábado, 27 de março de 2010

O Sol tem escondido UFOs do tamanho de um planeta?

Tradução: Marcos Ancillotti - Mundo UFO

A quem ou a que aliança pertencem? Bem-vindo mais uma vez os leitores, entusiastas e observadores da noite. Essa vai para aqueles de vocês que tem mantido um olho sobre as atividades estranhas que vêm acontecendo com o nosso sol. O impacto de asteróides, e de UFOs solares incomuns do tamanho de um planeta, e nós fazemos o nosso negócio que é mantê-los informados. Com isso em mente, e que nós queremos trazê-los o mais tardar, para as atividades selvagens que vem acontecendo perto do sol.

O vídeo a seguir mostra uma imagem que foi capturada em 25 março de 2010, aproximadamente ás 08:00hs pelo SOHO.
video
Isso é um feixe maciço disparado pelo UFO? Por que?

Fonte: http://www.examiner.com

quarta-feira, 24 de março de 2010

Nasa divulga imagem de cratera gigante de gelo em Marte

 Imagem mostra terras e paredões de Mojave, uma gigantesca cratera do planeta Marte Foto: Nasa/Divulgação

Imagem mostra terras e paredões de Mojave, uma das gigantescas crateras de Martes
Foto: Nasa/Divulgação

A Nasa, agência espacial americana, divulgou uma imagem em seu site com uma paisagem "apocalíptica" de gelo que mostra como poderia ficar a Terra no caso de um grande desastre climático acontecer. No entanto, a foto trata-se de uma porção de terras e paredões de Mojave, uma gigantesca cratera do planeta Marte.

A fotografia veiculada pela Nasa registra um aregião com cerca de 60 km de diâmetro. A observação oferece aos cientistas a ideia do que é uma enorme cratera marciana, já que este buraco é muito recente (tem cerca de 10 milhões de anos) e menos afetado pela erosão e outros processos geológicos.

De acordo com os astrônomos, o princípio do clima em Marte poderia ter sido fortemente influenciado pelo intenso bombardeio de meteoritos há 3,9 bilhões de anos. Para alguns estudiosos, os impactos neste setor de Marte poderiam ter desencadeado que a água do gelo percorresse o subsolo através da superfície, se condensando em forma de chuva ou neve durante um breve perído de tempo.

Com informações do Terra Chile

Fonte: http://br.mc1108.mail.yahoo.com/mc/showFolder?fid=Inbox&order=down&tt=9057&pSize=25&.rand=45975067#_pg=compose&&.rand=1538008235&clean&.jsrand=3892235

terça-feira, 23 de março de 2010

OVNI: A incrível declaração do ex- Vice Primeiro-Ministro do Canadá, Paul Hellyer

23/03/2010 - 13h18 ( Tradução: ProvaFinal2012)

Imagem(s): Divulgação

Discurso do Ex-Vice-Primeiro-Ministro do  Canadá

"Eu gostaria de estar de bom humor, mas não estou.
Nós dirigimo-nos para a destruição do nosso planeta, e eu acho que não fazemos caso algum disso.
Décadas atrás, visitantes de outros planetas vieram nos avisar sobre a direção que tínhamos tomado e ofereceram-nos ajuda.
Mas ao invés disso, nós, ou pelo menos alguns de nós, interpretaram suas visitas como uma ameaça e decidiram "disparar" primeiro e perguntar depois.
O resultado inevitável é que alguns dos nossos aviões foram perdidos. Mas quantas dessas perdas se devem as medidas de retaliação, e quantas são, de fato, o resultado da nossa própria estupidez, é um ponto discutível.
Wilbert Smith, um dos primeiros canadenses a ter tido um interesse ativo no estudo de OVNI´s, pediu aos visitantes as razões da destruição acidental de um avião que voava nas proximidades de uma de suas naves.
A resposta foi que, se alguns de nossos aviões conheceram um triste fim, foi resultado da incrível estupidez por parte dos nossos pilotos, eles tomavam medidas corretivas para evitar os nossos aparelhos.
Perguntei-lhes o que tinha acontecido e eles disseram: "Bem, os campos a volta das naves, que asseguram assim a propulsão produzindo gravidade diferencial, produz, por vezes, devido ao diferencial do campo temporal necessário ao movimento, combinações de campos que reduzem a resistência dos materiais para o ponto onde eles já não são suficientes para suportar as pressões para que foram calculados."
Como sabemos agora, alguns aviões, especialmente de tipo militar, foram construídos com um fator de resistência relativamente baixo, e nas juntas da estrutura, os materiais já não eram suficientemente resistentes para suportar as tensões mecânicas induzidas , e os aviões, simplesmente, desfaziam-se.
Isso não satisfez os nossos chefes militares que devem ter pensado que era mais importante garantir a superioridade nuclear americana - mesmo que usá-la possa resultar na nossa própria destruição - do que aceitar a sugestão dos visitantes e começar a eliminar o risco para o planeta de um holocausto global.
Os militares foram, e ainda são, tão paranoico que acham que é melhor usar a tecnologia dos visitantes para forçá-los a retirarem-se ao invés de aceitá-los como parceiros de desenvolvimento - embora tenham sido ajudados por alguns renegados que os assistiram no que podemos perceber como progressos diabólicos.

Stephen Bassett, diz que falar de OVNI faz parte do passado, agora devemos falar de Exopolítica. Em teoria concordo, mas na realidade, temos um problema porque a política oficial dos Estados Unidos afirma que os OVNIs não existem.
O véu do sigilo deve ser levantado agora, antes que seja tarde demais.
É irônico que os Estados Unidos tenham começado uma guerra devastadora - supostamente à procura de armas de destruição maciça - enquanto os desenvolvimentos mais perturbador nessa área ocorrem nos bastidores.
É irônico que os Estados Unidos possam empreender guerras monstruosamente caras no Iraque e no Afeganistão - supostamente para levar a democracia a esses dois países - enquanto que a própria não pode legitimamente reivindicar ser chamada de uma democracia quando triliões de dólares são gastos em projetos em que o Congresso e o comandante-em-chefe, são deliberadamente mantidos afastados.
O que foi realizado em sessenta anos de atividade febril por algumas das mentes mais instruídas dos Estados Unidos?
Será que a América desenvolveu discos voadores que são indistinguíveis das dos visitantes, como alguns afirmam?
E se assim for, o que se propõem a fazer com eles?
De uma maneira mais crítica ainda, que progressos foram feitos no desenvolvimento de fontes de energia não poluentes, que podem substituir os combustíveis fósseis e evitar, assim, que o planeta se torne impróprio para a vida?
Quem tem as respostas? Alguns, mas aparentemente eles não dizem nada, nem aos secretários de Defesa, nem aos Presidentes, porque esses não precisam de saber.
Numa história relatada pelo Dr. Stephen Greer, o presidente Clinton quando foi questionado por Sarah McClendon, uma repórter da Casa Branca, sobre o porquê dele não fazer nada sobre a divulgação do fenômeno OVNI, respondeu "Sarah, há um governo dentro do Governo e eu não o controlo."
Desculpem-me, mas será que o comandante-em-chefe, ou seja, a pessoa que tem o controle do fogo nuclear, não tem o direito de saber o que os seus subordinados andam a fazer? ...
Os cidadãos dos Estados Unidos, que pagaram as faturas, têm o direito de saber.
Os Cidadãos do mundo tem o direito de saber porque, para os nossos descendentes, também, o perigo mortal está aqui.
É hora de o povo dos Estados Unidos lançarem uma nova guerra contra o flagelo da mentira, do engano, das trevas, e todos estão envolvidos, a fim de ganhar a vitória da verdade, da transparência e da luz."
Honorável Paul Hellyer
(Discurso proferido a 19 de Abril de 2008)

Fonte: http://www.agoravale.com.br/agoravale/noticias.asp?id=22276&cod=1

quarta-feira, 17 de março de 2010

Sonda da ESA fotografa filamentos de poeira na Via Láctea

Os filamentos de poeira estão ligados à linha horizontal sob a cor
 rosa na parte inferior da imagem enviada pela sonda Planck Foto: 
ESO/Divulgação

Os filamentos de poeira estão ligados à linha horizontal sob a cor rosa na parte inferior da imagem enviada pela sonda Planck
Foto: ESO/Divulgação

A ESA, agência espacial européia, divulgou nesta quarta-feira a imagem de grandes filamentos de poeira cósmica presentes através da Via Láctea, a galáxia da Terra. A estrutura filamentosa foi fotografada pelo satélite espacial Planck a cerca de 500 anos-luz do Sol.

Segundo os cientistas, a análise aprofundada dessas estruturas poderiam ajudar a determinar as forças que moldam a Via Láctea e estimulam a formação de novas estrelas. A sonda Planck foi lançada com a missão de estudar os maiores mistérios da cosmologia como a origem do universo e das galáxias.

Os filamentos de poeira estão ligados à linha horizontal sob a cor rosa na parte inferior da imagem. Naquele local, a emissão de pó cósmico percorre distâncias maiores vindo do disco da Via Láctea.

A temperatura na região onde está a linha horizontal rosada é de algumas dezenas de graus acima do zero absoluto, enquanto o frio predomina nas zonas em que as cores são mais escuras, atingindo até -261°C. A poeira cósmica, ou matéria interestelar, é um conjunto de matéria e de radiação que preenche o espaço interestelar e sua origem ainda não é bem entendida pelos astrônomos.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia

Agência de astronomia européia anuncia descoberta de planeta extra-solar 'normal'

Exoplaneta poderá ser analisado 'em detalhes', afirma a ESO.
Corpo foi detectado ao passar na frente de sol a 1,5 mil anos-luz da Terra.

Do G1, em São Paulo

Foto: ESO

Primo da Terra - Concepção artística de Corot-9b passando em frente a estrela similar ao Sol (Foto: ESO) Corot-9b é o primeiro exoplaneta que realmente parece com planetas em nosso sistema solar"

A Organização Européia para Pesquisa Astronômica no Hemisfério Sul (ESO, na sigla em inglês) anunciou nesta quarta-feira (17) ter localizado o primeiro planeta extra-solar "normal", batizado de Corot-9b, que poderá ser estudado em grande detalhe. Exoplaneta, ou planeta extra-solar, é um planeta que orbita uma estrela que não seja o Sol.

O 9-b passa regularmente na frente de uma estrela parecida com o Sol a 1.500 anos-luz da Terra.

A descoberta foi viabilizada pela combinação de dados do satélite CoRoT (acrônimo de convecção, rotação de estrelas e trânsito dos planetas extra-solares) e do Harps (high accuracy radial velocity planet searcher), um dos instrumentos embutidos no telescópio de 3,6 metros do Observatório de La Silla, no Chile. O Harps é considerado o melhor caçador de exoplanetas de que a ciência dispõe atualmente.

"É um planeta normal, temperado, como dúzias que nós já conhecemos, mas este é o primeiro cujas propriedades podemos estudar em profundidade", afirmou Claire Moutou, membro da equipe internacional de 60 astrônomos que fizeram a descoberta. "Corot-9b é o primeiro exoplaneta que realmente parece com planetas em nosso sistema solar", complementou o principal autor da descoberta, Hans Deeg. "É do tamanho de Júpiter, com órbita similar à de Mercúrio."

O CoRoT foi lançado em dezembro de 2006 por um consórcio entre França, agência espacial europeia (ESA, na sigla em inglês), Áustria, Bélgica, Brasil, Alemanha e Espanha.

Mais de 400 exoplanetas já foram identificados até hoje. Corot-9b é especial porque sua distância da estrela que orbita é cerca de dez vezes maior do que qualquer outro corpo dessa categoria já descoberto, portanto tem um clima relativamente "temperado" (entre 160°C e -20°C), com "variações mínimas" entre dia e noite.

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia

domingo, 14 de março de 2010

Jatos de partículas de gelo são observados em Saturno

Jatos, Tiger Stripes, todos Foto: Nasa/Divulgação

As "Tiger Stripes" são jatos formados por partículas de gelo, vapor de água e compostos orgânicos
Foto: Nasa/Divulgação

A agência espacial americana, Nasa, apresentou nesta sexta-feira a imagem das famosas "Tiger Stripes", ou listras de tigre, próximas ao pólo sul de Enceladus, uma das luas de Saturno. As "Tiger Stripes" são jatos formados por partículas de gelo, vapor de água e compostos orgânicos.

A imagem é o resultado da sobreposição de duas imagens em alta resolução capturadas por uma câmera de ângulo fechado durante um vôo da sonda Cassini por Enceladus, em 21 de novembro de 2009. As imagens das "Tiger Stripes" permitirão que os cientistas estudem sua ação.

A sonda Cassini-Huygens é parte de um projeto da Agência Espacial Européia (ESA) e da Nasa para estudar Saturno e as suas luas em uma missão espacial não tripulada. A nave é formada por dois elementos principais: a Cassini orbiter e a sonda Huygens. Ela foi lançada em 15 de Outubro de 1997 e entrou na órbita de Saturno em 1° de julho de 2004. É a primeira sonda a orbitar Saturno.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI4316256-EI301,00-Jatos+de+particulas+de+gelo+sao+observados+em+Saturno.html

terça-feira, 9 de março de 2010

Lua de Marte é porosa como queijo

Redação do Site Inovação Tecnológica - 09/03/2010

Lua de Marte é porosa como queijo

Esta imagem de Fobos foi feita a uma distância de 656 km. No mergulho mais rasante, feito na semana passada, a Mars Express passou a apenas 67 km da superfície da lua de Marte. [Imagem: ESA/ DLR/ FU Berlin (G. Neukum)]

Lua de queijo

As crianças marcianas - as que eventualmente nascerem nas bases que o homem instalar em Marte, no futuro - poderão não ter tanta dificuldade em acreditar que a lua é feita de queijo - ou de algum material similar.

Pelo menos uma das duas luas de Marte não é um rochedo tão sólido quanto parece, podendo ser tão ou mais poroso do que um queijo.

Ao passar raspando por Fobos, na semana passada, a sonda européia Mars Express descobriu que a lua de Marte tem uma densidade incrivelmente baixa, sendo constituída por alguma coisa entre 25 e 35% de espaços vazios.

Essa baixa densidade é totalmente inesperada, e agora os cientistas vão se debruçar sobre os dados coletados para tentar elucidar as razões e a eventual origem de um rochedo espacial tão poroso.

Aglomerado espacial

Há muito se acredita que Fobos era um asteróide perdido pelo Sistema Solar que foi capturado por Marte.

Agora ganha peso a hipótese de que a lua seja um "objeto de segunda geração" do Sistema Solar, o que significa que ele pode ter-se formado pela coalescência de objetos menores depois que orbitavam Marte muito tempo depois que o planeta se formou.

A coalescência tardia ganhou força com os novos dados, que indicam que Fobos pode ser nada mais do que um aglomerado de pequenas rochas que se juntaram, deixando espaços vazios entre elas.

Morte da lua

Se isto for verdade, os cientistas poderão descrever com muito mais segurança o seu destino.

Como Fobos está em uma espiral contínua em direção a Marte, descendo cerca de 1,8 metro por século, sua morte poderá se dar tanto por um choque direto com seu planeta, quanto pelo esfacelamento, induzido pelas forças gravitacionais de Marte.

Se a lua nada mais for do que um aglomerado de rochas, ela provavelmente se tornará um anel de fragmentos em torno de Marte, dentro de cerca de 50 milhões de anos.

"Ela veio dos detritos, e aos detritos retornará," arrisca Martin Pätzold, da Universidade de Koln, na Alemanha, e principal cientista do experimento MARS, da sonda Mars Express.

Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias

UFOs em Ohio - EUA

Tradução: Marcos Ancillotti

FOXNews.com - 08/03/2010

Lago Erie, Ohio. Um morador da localidade, Eugene Erlikh tirou meia dúzia de fotos de algo incomum flutuando no céu, e ele acredita que são evidências de OVNIs.

image (MyFox8.com/Eugene Erlikh)

É um pássaro ... É um avião ... É um OVNI?

Isso é o que um morador do Lago Erie, Ohio, está reivindicando. Eugene Erlikh bateu meia dúzia de fotos de algo incomum flutuando no céu. Erlikh acredita que as fotos mostram um OVNI, conforme relatou para Fox8.com.

Erlikh disse para Fox8.com, que os objetos eram "brilhantes" e que mudavam de cor e voavam baixo, ocasionalmente em formação. "Os objetos pareciam estar "fazendo formações em linha e triângulos no céu".

Erlikh, é um paramédico e estudante da EMT, e que gravou também um vídeo que diz ele ser uma "vídeo surpreendente."

Euclid, Ohio - É algo muito assustador o que passou sobre o Lago Erie! Um morador local disse que viu um OVNI e ele acredita que é uma prova que não estamos sozinhos. "Não acontece nada de anormal nesta terra até ter aparecido isso", disse Erlikh Eugene.
Eugênio disse que as luzes são inexplicáveis e apareceram fora de sua casa em Euclides, durante cinco noites. "Foi como um raio brilhante de luzes diferentes, e ele estava indo na cor vermelho, depois mudou para o amarelo, verde, azul. Nunca foi a mesma cor, e foi assim como se estivesse pulsando."

Os objetos voadores não identificados permanecem não identificados. Ninguém sabe o que eles estavam fazendo lá, incluindo um estudante de 20 anos de idade que admite que é difícil de acreditar. Carla Jackson é cética. "Quero dizer, nós não estamos muito longe do Canadá, poderia ter sido um show de luzes de algum jogo".
""Uma vez que você vê com seus próprios olhos", disse Erlikh. "Você vai dizer: Porque eles continuam voltando ao mesmo lugar?"
Não é a primeira vez que alguém disse que viu algo sobre o céu de Cleveland. Em 2007, um grupo de pessoas, disseram que viram o que eles pensavam ser um UFO sobre a Torre. E de acordo com a National UFO Reporting Center, muitos avistamentos em Cleveland foram feitos no passado.
"É um truque de câmera", disse Carla Jackson. "Eu tenho que estar lá para realmente ver."
"Por que eles estão lá? Por que eles continuam voltando, ao mesmo tempo, na mesma área? Não há absolutamente nenhuma razão".

Fonte: www.fox8.com

sexta-feira, 5 de março de 2010

Nasa divulga imagem de galáxia brilhante com buraco negro

Dados captados pelos raios-X do Chandra aparecem em vermelho na imagem, dados recolhidos pelo  Telescópio Hubble aparecem em verde e dados de ondas de ... Foto: Nasa/Divulgação

Dados captados pelos raios-X do Chandra aparecem em vermelho na imagem, dados recolhidos pelo Telescópio Hubble aparecem em verde e dados de ondas de rádio do Very Large Array, em azul
Foto: Nasa/Divulgação

A Agência Espacial Americana (Nasa) divulgou nesta sexta-feira a imagem da galáxia NGC 1068, uma das galáxias mais próximas e brilhantes que contêm um buraco negro supermassivo de crescimento rápido. Segundo a Nasa, a NGC 1068 está localizada cerca de 50 milhões de anos-luz da Terra e seu buraco negro tem cerca de duas vezes a massa do buraco negro presente no meio da Via Láctea.

A imagem é uma sobreposição de fotos obtidas pelo observatório de raios-X Chandra, pelo Telescópio Espacial Hubble e pelo Very Large Array. A composição mostra um forte vento está sendo lançado para a periferia da NGC 1068 a uma taxa de cerca de um milhão de milhas por hora. Esse vento é provavelmente gerado com um gás acelerado e aquecido que gira em direção ao buraco negro.

Uma parte do gás é puxado para dentro do buraco negro e a outra parte dele é levada pelo vento. Raios-X de alta energia produzida pelo gás perto do buraco negro aquecem o gás que está sendo dispersado pelo vento fazendo-o brilhar.

Dados captados pelos raios-X do Chandra aparecem em vermelho na imagem, dados recolhidos pelo Telescópio Hubble aparecem em verde e dados de ondas de rádio do Very Large Array, em azul. A estrutura de espiral NGC 1068 está demonstrada tanto pelos raios-X quanto por dados ópticos, e um jato alimentado pelo buraco negro central é mostrado pelos dados de rádio.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia

terça-feira, 2 de março de 2010

Espanha: telescópio capta rara imagem de estrela de nêutrons

 

A imagem exibe uma representação artística de um magnetar, que depois da quebra da superfície, libera energia armazenada em seu potente campo ... Foto: EFE

Na imagem, uma representação artística de um magnetar, que depois da quebra da superfície, libera energia armazenada em seu campo magnético
Foto: EFE

O grande Telescópio Canárias (GTC), instalado no Observatório Del Roque de los Muchachos, localizado na Ilha de La Palma, na Espanha, registrou imagens com profundidade sem precedentes de uma estrela de nêutrons, do tipo magnetar. O episódio foi informado pelo Instituto de Astrofísica de Canarias (IAC), nesta segunda-feira, dia 1.

O GTC, o maior e com tecnologia mais avançada do mundo, foi lançado no dia 24 de julho de 2009, e permitirá aos pesquisadores conhecerem os mistérios da formação do universo através de seu espelho.

A Universidade Autônoma do México, o Instituto Nacional de Astrofísica, Óptica e Eletrônica do país, além da Universidade da Flórida e a União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (Feder) participaram da construção da grande estrutura.

O telescópio é uma ferramenta refletora, com um espelho primário de 10,4 metros de diâmetro, o maior do mundo. Trata-se de um projeto avaliado em 104 milhões de euros, financiado em 90% pela Espanha e 10% com o apoio do México e dos Estados Unidos.

O GTC permitirá revelar segredos ocultos do universo, por captar a luz formando imagens diretas (detectadas pelo olho humano) e imagens espectroscópicas (através de espectrógrafos, que selecionam uma parte da imagem, separando-a nas diferentes longitudes de uma onda).

Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias

Radar da Nasa descobre gelo no polo norte da Lua

Em Washington 02/03/2010

O radar indicou mais de 40 pequenas crateras de 1,6 a 15 quilômetros (indicadas em verde)

O radar indicou mais de 40 pequenas crateras de 1,6 a 15 quilômetros (indicadas em verde)

Um radar norte-americano lançado em um foguete indiano detectou crateras cheias de gelo no polo norte da Lua, indicaram cientistas da Nasa.

O radar Mini-SAR da agência espacial norte-americana indicou mais de 40 pequenas crateras de 1,6 a 15 quilômetros, todas cheias de gelo.

"Embora o total de gelo dependa de sua espessura em cada cratera, estima-se que poderá haver pelo menos 600 milhões de toneladas métricas de água congelada", indicou a Nasa em um comunicado.

A descoberta ocorre poucas semanas depois de o presidente Barack Obama ter frustrado as ambições dos Estados Unidos de retornarem com astronautas à Lua.

A descoberta "mostra que a Lua é um destino mais interessante e atraente no aspecto científico, operacional e de exploração do que as pessoas pensavam anteriormente", indicou Paul Spudis, principal pesquisador do experimento Mini-SAR no Lunar and Planetary Institute de Houston, Texas (sul).

O Mini-SAR passou o último ano mapeando as crateras lunares que estão permanentemente na sombra e que não são visíveis da Terra, usando as propriedades de polarização das ondas de rádio.

As descobertas do radar, que serão divulgadas no jornal Geophysical Research Letters, seguem as descobertas de outros instrumentos da Nasa e se somam às informações científicas sobre as diversas formas de água encontradas na Lua.

O Moon Mineralogy Mapper da Nasa, também a bordo do satélite indiano Chandrayaan-1, descobriu moléculas de água nos pólos da Lua, enquanto que o Lunar Crater Observation and Sensing Satellite (LCross) da Nasa detectou vapor de água.

Os cientistas indianos da missão Chandrayaan-1 -um satélite lançado em outubro de 2008 que deve orbitar dois anos ao redor da Lua- confirmaram as descobertas norte-americanas, após a análise das ondas luminosas captadas pelos instrumentos norte-americanos

Fonte: http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude