sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Observação em massa de UFOs sobre Martigues - França

Traduzido e adaptado por Marcos Ancillotti

Esse avistamento foi gravado no mês passado, no dia 02 de julho de 2014, e foi publicado esta semana. Ele mostra UFOs  sobre Martigues, França. Esta não é a primeira vez que um avistamento em Martigues foi gravado. Um avistamento semelhante de UFO foi gravado em 02 de julho de 2008, e se mostra idêntico no céu. Claramente, isso significa que tem que haver uma base alienígena abaixo desta cidade ... para que tenha tanta atenção dos alienígenas. No mesmo dia (02 de julho) os avistamentos ocorreram. Uma coincidência? O dia deve ter um significado especial, para os alienígenas, na França.

Vejam os vídeos!

02/07/2014

02/07/2008

Fonte: http://www.ufosightingsdaily.com/

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Luz misteriosa causa medo em Canindé; População acredita que seja disco voador

Por Renato Ferreira em Gente na TV11 de agosto de 2014

A comunidade de Salgado Ingá, no município de Canindé, tem se impressionado cada vez mais com luzes que aparecem à noite e chamam a atenção dos moradores. Nas últimas semanas o fenômeno tem aparecido, e a suspeita é que seja um disco voador.
Os residentes da cidade estão preocupados, já que não sabem de onde vem aquela luz. Uma das moradoras ligou para a rádio local muito aflita, quando o episódio acontecia. Ela contou por telefone que na hora ficou muito quente e muitos moradores deixaram de sair de casa com medo.
“Eu vi uma tocha vermelha muito forte, e ela ficou parada. Eu poderia descrever como um disco voador, uma coisa que eu nunca vi”, conta uma residente, ao ficar de cara com a luz. Já a mulher que ligou para a rádio relatou que tentou clarear a luz com uma lanterna, mas ela aumentou e tentou “descer à terra”.
Veja em vídeo:

Fonte: http://tribunadoceara.uol.com.br/

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Rosetta envia primeiras imagens da órbita do cometa

Cometa 67P

Madrid, 06/08/2014

   Depois de viajar mais de dez anos, a sonda Rosetta, da Agência Espacial Europeia (ESA), encontrou-se nesta quarta-feira com o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko, que o visitará em novembro. Enquanto isso, ela já enviou as primeiras imagens da rocha .

   Conforme explicou a ESA, as fotografias tiradas a uma distância de 285 quilômetros acima da superfície do cometa 67P, superou todas as fotos tiradas em missões espaciais anteriores, em superfícies de cometas."

   Na foto você pode ver claramente, encostas íngremes, penhascos e estruturas rochosas afiadas, poços e proeminentes planícies suaves. "É incrível as variações desta superfície", observou o investigador do sistema de imagem OSIRIS, na Rosetta, Holger Sierks.

   "Nunca vimos nada parecido com isso antes, com grandes detalhes. Hoje, estamos abrindo um novo capítulo da missão Rosetta e sabemos que vai revolucionar a ciência do cometa", acrescentou.

   Ao longo deste mês, líderes da missão, irão começar a selecionar os melhores lugares, para que a sonda da Rosetta, Philae, aterrise dentro de três meses. Neste sentido, os cientistas observaram que a pesquisa não é apenas um lugar simples, mas também interessante para a investigação.

Fonte: http://www.europapress.es/ciencia

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

UFO filmado pela ISS live

Traduzido e adaptado por Marcos Ancillotti

Este UFO foi capturado esta semana na ISS live cam. UFOs são vistos semanalmente nessas câmaras! Se você observá-los, você vai pegar um, mais cedo ou mais tarde.  A NASA nunca deu qualquer explicação para estes UFOs perto da ISS. Eu acredito que eles escondem os fatos, e não falam mais do que devem.

Fonte: http://www.ufosightingsdaily.com/

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Ninguém sabe o que está causando estas explosões de radiação no espaço

Por: Ashley Feinberg

la35sy0heaobt7pu9cr9

Em 2007, astrônomos detectaram uma rajada de ondas de rádio incrivelmente forte e breve na Austrália. E agora, no lado oposto do mundo, astrônomos identificaram uma segunda explosão de proporções semelhantes. Isto quer dizer que A) a primeira não foi um acaso, e B) nós não temos absolutamente nenhuma ideia do que está causando isto.

Este segundo flash ultra-rápido de ondas de rádio foi descoberto pelo radiotelescópio de Arecibo, em Porto Rico, cujas antenas estavam posicionadas na esperança de descobrir estrelas de nêutrons. Em vez disso, ele capturou uma segunda ocorrência das chamadas explosões rápidas de radiação (ou, em inglês, fast radio bursts, FRBs), o que finalmente permitiu aos astrônomos excluir o ruído cósmico e reportá-las formalmente. Ao contrário dos sinais de rádio que nós detectamos normalmente, estas ondas “dão todos os sinais de terem vindo de fora de nossa galáxia, de algum ponto muito distante.”

De acordo com Laura Spitler, pós-doutoranda no Instituto Max Planck de Radioastronomia, na Alemanha, a descoberta é um grande passo adiante:

Nós realmente não sabemos do que se trata. Os cientistas são altamente céticos em relação a tais descobertas … [tanto que] todas as rajadas descobertas até agora pelo telescópio Parkes não eram motivo de preocupação. Agora, com a descoberta de uma explosão pelo telescópio de Arecibo, estamos mais confiantes de que FRBs são fenômenos astrofísicos, e que entendê-las e classificá-las deve ser uma prioridade dos observatórios radioastronômicos no futuro.

Até conseguirmos descobrir mais um desses FRBs e estudá-los de maneira adequada, entretanto, os cientistas estão perdidos em relação ao que pode estar causando estes fenômenos. Algumas explicações propostas incluem evaporação de buracos negros, fusões das estrelas de nêutrons, e erupções de estrelas de nêutrons extremamente poderosos chamadas magnetares. E, como Duncan Lorimer, um dos astrônomos que descobriram a primeira série de FRBs, disse a NPR:

Existem até mesmo discussões na literatura sobre assinaturas de civilizações extraterrestres.

Pode levar um bom tempo antes de se obter quaisquer respostas definitivas, no entanto. Os dois radiotelescópios que detectaram as ondas sofrem de visão de túnel, o que significa que nossa visão é tão limitada que qualquer FRB que encontrarmos no futuro será graças à nossa sorte. Mas, como James Cordes, astrônomo de Cornell, também disse a NPR, “O bom sobre esta fase inicial é que realmente não sabemos o que causa essas explosões, de modo que o céu é o limite”.

Em outras palavras:

glk0atgzfa8puqbqcx5f

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: http://gizmodo.uol.com.br/explosoes-radiacao-espaco/